Ficção: Amor ?

...ela me fita com seus olhos desiguais e eu alcanço um vislumbre do mistério.

Ela me toca, com mãos que emanam calor, e eu me pergunto até onde vai a profundidade desse contato.

Ela me fala através de enigmas, volteios elegantes e ziguezagues, tentando não revelar nada de si para si mesma.

Ela descansa a cabeça no meu peito e me pede para estar ao seu lado quando a dor vier.

Eu digo: "Eu te amo", e minto: "Sempre estarei com você quando precisar".

Eu a toco, ternamente, com a lembrança dos breves momentos em que sua boca uniu-se a minha, e aguardo enquanto ela se dissipa como um sonho ao amanhecer...

Nenhum comentário:

Postar um comentário