Sobre o Lorde Velho

Quando vivoRodrigo Emanoel Fernandes passou pelo mundo quase desapercebido. Mesmo as circunstâncias de seu falecimento e seu local de descanso eterno são obscuros e meramente especulativos. Talvez tenha sido alvejado numa trincheira na frente ocidental, ou contraído gripe espanhola enquanto morava sozinho num quarto insalubre na riviera francesa, ou quem sabe tenha se afogado no naufrágio de um cargueiro, cruzando o Pacífico Sul como clandestino. Seja como for, quer tenha sido sepultado numa vala comum coberta de cal virgem ou desaparecido nas profundezas do oceano, o fato é que a morte lhe agraciou com aquela aura de dignidade e relevância que apenas os falecidos parecem gozar. Morto vagou pelo mundo com maior desenvoltura e até um certo carisma, arregimentando afetos, parcerias e amores. Travou conhecimento com artistas, poetas e errantes que, de comum e insuspeitado acordo, outorgaram ao extinto o título de Lorde Velho. Espíritos refinados, de sorriso raro e beleza tímida, que preferem vinho seco ao suave, a razão ao sentimento e o espírito ao gracejo. Passou alguns anos cursando Geografia na Unesp e mais alguns em Artes Cênicas na UEL, acabando por se tornar um dos organizadores do lindamente insensato evento itinerante de arte da performance conhecido como Festival de Apartamento, no qual outros fantasmas noturnos convergem periodicamente à caça de mistérios e maravilhas. Obteve o título de doutor pela Faculdade de Educação da UNICAMP, enquanto, paralelamente e de forma mais informal, foi construindo uma reputação de diletante em ocultismo e (quase) erudito nos gêneros e subgêneros que formam o amplo universo do horror gótico old school, conhecimentos colocados a prova dirigindo o espetáculo de teatro de sombras Memento Mori - Um Ensaio Para a Morte com a fugaz "Companhia da Sombra", antes de seguir adiante para novos caminhos voltados para esses temas melancólicos tão apropriados à sua peculiar condição de existência. E se, em meio a tudo isso, houve quem notasse uma certa transparência nos seus contornos nas horas da madrugada que antecedem o amanhecer, um tremeluzir indistinto, como se, na verdade, não houvesse realmente ninguém ali, teve a amabilidade e sensatez de guardar a observação para si.

Curriculum Mortae:



2019
"O que é um fantasma?"
(Prefácio escrito para a coletânea "Quinteto de Assombros - cinco histórias de fantasmas")
Algernon Blackwood, Amelia B. Edwards, Edgar Allan Poe, E. F. Benson & Washington Irvin

Tradução: Chico Lopes
Texto de orelha: Luiz Roberto Guedes
Prefácio: Rodrigo Emanoel Fernandes
Revisão: Marcos Vinícius Almeida

Ano: 2019 / Páginas: 108


2018
"Concerto Para Quem Não Tem Conserto"
(Espetáculo Teatral)

 Espetáculo mescla clássicos literários para retratar os conflitos humanos.

Com inspiração no movimento antropofágico de Oswald de Andrade, cuja essência é transformar outras artes em algo brasileiro, a peça traz referências de diferentes clássicos da literatura, desde A Morta, do próprio Oswald, até Fim de Jogo, Esperando Godot e Dias Felizes, de Samuel Beckett. O enredo mescla o teatro absurdo de Beckett aos elementos da literatura nacional.

Perante a morte, o maior e inevitável embate, os personagens seguem um cortejo fúnebre em direção a eles mesmos, buscando por meio de objetos as lembranças dos espaços, da rotina, uma nova ilusão de vida, ou uma ideia de amor. A alma, ou espírito da trama é a trilha sonora orquestrada pela Maestra Morte.

O tema Zona de Conflito foi escolhido como eixo condutor da criação dos espetáculos desta edição do Encontro Cena Livre. Resultado do curso Múltiplas Linguagens, o projeto tem como foco a pesquisa baseada em obras dramatúrgicas da literatura latino-americana.

Tragicomédia, Adulto, 55 min.
SESI Rio Claro
22 a 25 de novembro de 2018
Reportagem no Jornal Cidade de Rio Claro

Dramaturgia inspirada no texto “A Morta” de Oswald de Andrade e fragmentos de Samuel Beckett | Direção: Marcos Calegari | Iluminação: Reinaldo Bello | Trilha Sonora: Fábio Aguiar | Operadora de Som: Jessica Lane | Figurino: Asilo São vicente | Fotos do Cartaz: Jessica Lane | Cenografia: Marcos Calegari | Cenotécnico: Vander Sass | Elenco: Almir Ferreira, Daniela Schmidt, Elder Algarve, Lucivane Dionizio, Manoela Bedicks. Márcia Marcinha, Rafaela Santos, Rodrigo Emanoel Fernandes, Tainá Fernanda Gonçalves, Vagner Rodrigo Saraiva, Vander Sass, Vanessa Ferreira e Wendel Paes de Oliveira


 2017
"Transtornus"
(Curta Metragem) 



Numa era vitoriana alternativa steampunk, Anne, uma jovem histérica, torna-se cobaia de um experimento radical conduzido por um ainda não renomado Sigmund Freud. Uma estranha e sinistra jornada nos labirintos da alma, entre traumas, pesadelos e fantasmas do inconsciente.

Thamiris Gomes - Anne 
Rodrigo Emanoel Fernandes - Dr. Sigmund Freud 
Evandro Corrêa - Dr. Josef Breuer

Direção: Lucas Martins Sirico
Roteiro: Julia Hortenci
Assistente de direção: Marina Mascarin
Continuísta e direção de produção: Julio Toledo
Direção de Fotografia: Marina Mascarin / Marco Aurélio
Câmera: Marina Mascarin / Lucas Martins Sirico / Ricardo Bortolin 
Direção de arte e Cenografia: Julia Hortenci / Tainá Milan
Maquiagem: Juliana Joia / Júlia Pacheco
Direção de atores: Lucas Martins Sirico / Júlia Pacheco
Equipe de som: Renata Blas / Marco Aurelio / Edição: Marina Mascarin / Lucas Martins Sirico
Produtores: Lucas Martins Sirico / Julia Hortenci / Julia Pacheco / Gustavo Miranda / Tainá Milan
FIGURINO ANNE - Tania Guarnieri - Donna Anita AteliÊ


2016
"Phantasmagoria"
(Intervenção Cênica)
  
 A Phantasmagoria sempre existiu. Um nome que atravessa os séculos, evocando os estados de trevas que nos assombram e encantam, remete ao onírico, ao oculto, aos jogos de luz e sombra, às ilusões mais reais do que o real. Dando continuidade a uma trajetória de aliança com o fantástico e o macabro, a Companhia da Sombra se deixa tomar como veículo para potências que pairam entre e através de nós, para daí tomar espaços, ocupar ambientes, assumir a forma de criaturas que são como ideias travestidas em algo semelhante a carne, seres arquetípicos, presenças, memórias: um cortejo de “phantasmas” assombrando lugares e pessoas, criando um espaço/tempo-outro de experimentação, encantamento… e melancolia.

Criação coletiva e performances:
Daiane Baumgartner, Ju Paié, Marcos Calegari, Rodrigo Emanoel Fernandes e Tassia Guarnieri
Bonecos e Máscaras: Daiane Baumgartner
Figurino:
Tania Guarnieri - Donna Anita AteliÊ
 Maquiagem: Juliana Joia – Juliana Joia Make-Up
Fotografia: Bruno Hayata e Jessica Lane
Comunicação Visual: Glaucia Silva
Produção: Daiane Baumgartner
Realização: Companhia da Sombra



2015
"Memento Mori - Um Ensaio Para a Morte"
(Espetáculo Teatral)


O Memento Mori é a lembrança da morte. A terrível consciência da finitude que nos define como espécie. Dos sussurros dessa voz nas trevas nasce a ficção de horror como a conhecemos: ensaios para a morte. A Companhia da Sombra vem abraçar essa iconografia do horror gótico do séc. XIX, apostando na estética do teatro de sombras como uma espécie de “lar natural” para essa antiga voz que nos sussurra dos lugares escuros. Convidamos o público para adentrar conosco esse estado de trevas, entre vultos ameaçadores, espectros sombrios, cemitérios em ruínas e casas mal assombradas, para não apenas lembrar da morte, mas dançar com ela um melancólico e macabro bailado.

Concepção: Companhia da Sombra
Direção e Pesquisa: Rodrigo Emanoel Fernandes
Dramaturgia: Bruna Villa, Daiane Baumgartner, Fabíola Gonçales e Rodrigo Emanoel Fernandes
Atrizes Manipuladoras: Bruna Villa, Daiane Baumgartner, Fabíola Gonçales e Marcos Calegari
Concepção e Criação de figurino: Companhia da Sombra
Concepção e Criação de luz: Companhia da Sombra
Cenário: Juciê Batista
Música original: Bruno Hayata
Operador de som: Rodrigo Emanoel Fernandes Ilustração e Comunicação Visual: Glaucia Silva
Produção: Andressa Francelino e Daiane Baumgartner


2015-2007
"Festivais de Apartamento"
(Eventos Itinerantes de Performance Art)

Os Apartment Festivals foram criados pelos neoistas nos anos 80 como eventos internacionais de Arte da Performance realizados nas moradias dos artistas, abrindo mão do recurso ao financiamento de órgãos oficiais. Para realizar um Festival basta um local cedido e interessados em apresentar e/ou assistir a performances. Num processo de apropriação dessa prática, desde 2007 uma série de eventos performáticos tem sido organizada por uma equipe interessada em adaptar os Festivais de Apartamento às necessidades dos realizadores de performance da contemporaneidade, ansiosos por espaços livres para apresentação de performances e intercâmbio de experiências: um misto de mostra e festa que se manifesta cada vez que surge uma casa para abrigá-la.

Organizadores atuais:
Ludmila Castanheira / Rodrigo Emanoel Fernandes
Ex-organizadores:
Thaíse Nardim / José Roberto Sechi

2009
"Abrace-Me"
(Performance Art)


Ação realizada no dia 25 de Novembro de 2009, em frente ao Restaurante Universitário da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP.


2008
"Sorvênus"
(Performance Art)

Com a sala às escuras, três performers, Sechi, Rodrigo e Thiago, descem as escadas e passam a circular pelo ambiente, iluminando-o parcialmente com os fachos das lanternas atadas aos corpos. A certa altura a performer Ludmila é localizada entre os presentes e levada ao centro da sala, onde é despida e conduzida a uma bacia de plástico vazia. Por fim, é enrolada com pisca-piscas de Natal e assume a imagem da Vênus de Botticelli. Os três performers apagam suas lanternas e esvaziam latas de cerveja na bacia, para então curvarem-se, e beber toda a cerveja com canudos plásticos.

Grupo AcompanhiA
José Roberto Sechi / Rodrigo Emanoel Fernandes / Ludmila Castanheira  / Thiago Buoro

2008
"Formulário Contínuo"
(Performance Art)

A abertura do II Festival de Apartamento ficou sob responsabilidade de seus organizadores, o Grupo Performático AcompanhiA, com a performance Formulário Contínuo, que marca a estréia da atriz Ludmila Castanheira nas fileiras do grupo, criando uma dança a partir dos sons que Rodrigo Emanoel Fernandes extrai de uma velha máquina de escrever. Simultaneamente, José Roberto Sechi acompanha os movimentos colando pequenas letras fluorescentes no corpo da dançarina. Por fim, o apagar das luzes permite a visão de um conjunto de letras dançando na escuridão e encerrando a performance

Grupo AcompanhiA:
José Roberto Sechi / Rodrigo Emanoel Fernandes / Ludmila Castanheira

2007
"Comunhão"
(Performance Art)



Uma semana depois da reinauguração oficial do Grupo AcompanhiA (com a performance Endopintura - dis(sec)ação) um evento maior e mais ambicioso foi realizado nas dependências da Sechiisland, na intenção de dar um passo adiante na exploração da linguagem da performance art e, ao mesmo tempo, promover uma confraternização que aproximasse amigos, artistas e interessados de modo geral. Para tanto, o grupo apropriou-se do conceito dos festivais de apartamento da tradição neoista, nos quais a dificuldade da obtenção de "espaços apropriados" para a apresentação de performances, happenings e demais atividades é sumariamente contornada com o uso das residências dos próprios "conspiradores".


I FESTIVAL DE APARTAMENTO “SECHIISLAND”, Performance Art, 2007.
Rodrigo Emanoel Fernandes / José Roberto Sechi



2007
"ENDOPINTURA: dis(sec)ação"
(Performance Art)

Performance realizada no Centro Intercultural Napyév (academia de dança mantida por Lara Jatkoske Lazo), em Rio Claro/SP, Brasil, no dia 14/06/2007. Filmagem por Ricardo Dionísio Fernandes (Berro) e edição por João Paulo Miranda Maria.

José Roberto Sechi / Rodrigo Emanoel Fernandes


2007
"ENDOPINTURA "Vernissage" no Café Vilhena"
(Performance Art)

Performance Art sem título realizada durante uma vernissage no Café Vilhena, Rio Claro/SP, no dia 30/08/2007.

Performers: José Roberto Sechi / Rodrigo Emanoel Fernandes.
Foto: Café Vilhena


2004
"Improviso de Ohio"
(Espetáculo Teatral)


Assim a triste história uma última vez redita, ficaram sentados como se fossem de pedra. Pela única janela a madrugada não vertia nenhuma luz. Da rua nenhum ruído de ressurreição. A menos que, abismados em sabe-se lá que pensamentos, eles estivessem insensíveis. À luz do dia. Ao ruído de ressurreição. Que pensamentos, quem sabe. Pensamentos não, não pensamentos. Abismos de consciência. Abismados em sabe-se lá que abismos de consciência. De inconsciência. Lá onde nenhuma luz pode chegar. Nenhum ruído. Assim ficaram sentados como se fossem de pedra. A triste história uma última vez redita.

Improviso de Ohio - Montagem realizada no Espaço 2 Arte Café de Londrina-PR, em 18 de Setembro de 2004.
Texto de Samuel Beckett - Tradução de Leyla Perrone Moisés
Com Rodrigo Emanoel Fernandes e Nuno Theodoro
 Sonoplastia, Iluminação e Maquilagem: Regiane Teixeira Barbosa e Francine Soares


2003
"Leitura Performática de Obras de Carlos Drummond de Andrade"
(Espetáculo Teatral)

O espetáculo Leitura Performática de Obras de Carlos Drummond de Andrade marcou o ápice e o fim da primeira fase do AcompanhiA e concentra, de certo modo, tudo o que o grupo tinha de melhor e pior no período. Com uma única apresentação no teatro do SESI de Rio Claro/SP, em 27/07/2003, o espetáculo não deixou nenhum registro, a não ser o cartaz (design de José Roberto Sechi), o que demonstra a ingenuidade que contrabalanceava a ousadia de idéias com inspirações tão ímpares - e por vezes antagônicas - quanto o neoísmo e a dança-teatro.
Embora o nome AcompanhiA tenha surgido pela primeira vez no cartaz desse espetáculo, a experiência de Sechi e Thiago Buoro na área de performance art (individualmente e em conjunto) já era significativa, com uma linha de trabalho já começando a se definir. Esse potencial encontrou novas possibilidades de manifestação com a série de eventos comemorativos do centenário de Drummond que o Gabinete de Leitura de Rio Claro/SP promoveu durante todo o ano de 2003. Várias ações foram planejadas e apresentadas nesses eventos, em especial O Lutador, performance art baseada no poema homônimo. Os contatos nesses eventos permitiram uma aproximação com a professora de Educação Física Sandra Bretas e o fotógrafo Ernani Alcântara, uma associação que resultou na leitura performática A Flor e a Náusea.
No calor de duas apresentações bem sucedidas idéias fluíram, incorporando outros poemas de Drummond, num movimento que sugeria a criação de um espetáculo performático. O escritor e diretor Rodrigo Emanoel Fernandes foi convidado para organizar e dirigir o recital, costurando e dando uma forma definida às diversas ações que vinham se desenvolvendo. O resultado foi um espetáculo de uma hora de duração, com elementos de performance art, teatro e poesia, adaptados para as possibilidades e limitações do palco italiano do SESI de Rio Claro. Na trilha, poesias sonoras, Walter Franco e Angelo Badalamenti.


2003
"ENDOPINTURA: concriação"
(Performance Art)

Performance art realizada durante as atividades do VII Encontro de Escritores de Rio Claro/SP (26/09/2003), na Floresta Estadual Navarro de Andrade. Participação de José Roberto Sechi e Thiago Buoro (pintores), Rodrigo Emanoel Fernandes e Sandra Bretas (telas). Filmagem e fotos: Ricardo Dionisio Fernandes (Berro) e Ernani Alcântara.

Nenhum comentário:

Postar um comentário