segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Lore - Uma Vela no Escuro para ir além do "Eu Quero Acreditar"

Que bela surpresa essa série, Lore, da Amazon Studios. Me fez lembrar da passagem do clássico O Mundo Assombrado Pelos Demônios - a ciência vista como uma vela no escuro em que o saudoso Carl Sagan dava umas belas alfinetadas em Arquivo X por, segundo ele, blefar em sua premissa central. De fato, Chris Carter sempre afirmou que sua série buscava ao máximo equilibrar a credulidade de Fox Mulder com o ceticismo de Dana Scully, mas o fato é que em 99% dos episódios Scully estava sempre errada e Mulder sempre certo. Só me lembro agora de um único episódio em que o "monstro da semana" no fim era só um crocodilo e Mulder acabava com cara de criança decepcionada (inclusive, sempre me pareceu que o próprio status de Scully como uma das primeiras grandes mulheres protagonistas da história da TV acabava um tantinho maculado por ela sempre ter que ceder a razão ao colega homem).

Sagan, claro, entendia os motivos de Carter seguir esse rumo, mas lamentava o fato da série, querendo ou não, reforçar a desconfiança do americano médio em relação ao conhecimento científico e estimular a crença em superstições e pseudo-ciências. Não seria interessante, só pra variar um pouco, um seriado em que a investigação dos casos revelasse que os fenômenos aparentemente paranormais nada mais eram que embustes, más interpretações e/ou frutos de crendices e superstições? Afinal, nos anais da pesquisa científica não faltam histórias reais em que a famigerada "explicação racional" acaba sendo um plot twist muito mais surpreendente do que os desfechos meramente fantásticos da maioria dos episódios de Arquivo X. Porém, Sagan duvidava muito que alguma emissora aceitasse apostar numa série assim, muito menos que o público se dispusesse a abrir mão da fantasia tão facilmente. Mais provável seria que 99% dos espectadores terminasse cada episódio com a mesma cara de decepção do Agente Mulder e a audiência despencasse com poucos meses de exibição.

Sagan escreveu isso lá nos anos 90. Me pergunto o que ele teria achado de Lore. Embora não seja exatamente como a série que ele propunha, Lore poderia muito bem ser definida, assim a grosso modo, como uma espécie de anti-Arquivo X. Uma mistura de documentário e dramatização (e até animação) de casos macabros ocorridos em vários momentos da história, tentando ao máximo, pelo que pude apurar, se manter fiel aos fatos conhecidos e registrados, o que naturalmente acaba tendendo os episódios a uma postura cética que daria orgulho à Agente Scully. Relatos onde o horror é muito mais resultado da fé cega à crendices do que de um efetivo elemento sobrenatural (crendices nem sempre tão óbvias, é bom lembrar, como demonstra o aflitivo episódio "Echoes" que trata do surpreendentemente longo uso da lobotomia como forma "eficiente" de tratar doenças mentais!).

Baseado no famoso podcast homônimo de Aaron Mahnke (narrador na série), Lore as vezes  acaba flertando dramaturgicamente com a tendência do público a abraçar o fantástico, em particular nos dois (dos seis) episódios da primeira temporada que terminam sem nenhuma "explicação racional" para os fenômenos sobrenaturais. Mas a série atinge seus resultados mais assustadores (e satisfatórios) quando permite que os relatos falem por si mesmos, revelando o nível de absurdo e até de monstruosidade que uma crença cega pode levar. O destaque aqui vai para o angustiante episódio "Black Stockings" em que o pavor masculino diante do empoderamento feminino, numa Irlanda dividida entre o paganismo e o cristianismo, atinge uma massa crítica em meio às crenças em doppelgangers e changelings, com consequências aterradoras que o espectador não conseguirá esquecer tão cedo.

Contra intuitivamente, essa abordagem mais realista não dissipa a atmosfera gótica da série. A melancolia e os estados de decadência moral e espiritual tão de acordo com os pressupostos da abordagem gótica envolvem completamente essas histórias de pessoas assombradas por fenômenos que, ao fim e ao cabo, não seriam mais que doenças desconhecidas, circunstâncias além de seu horizonte de conhecimentos, ou convicções irracionais nublando sua capacidade de apreender a realidade de forma objetiva. "Assombradas", por assim dizer, pelos mesmos demônios de que Sagan falava lá nos anos 90. Demônios que temos aprendido da pior maneira possível que ainda continuam firmes e fortes entre nós.

Não me entendem mal. Como todo bom amante do horror e do fantástico eu também costumo ficar com cara de Mulder quando me deparo com filmes e livros em que o sobrenatural se revela como embuste ou puro folclore. Sempre tive problemas com Ann Radcliffe justamente por conta disso e é óbvio que não gostaria de verdade de um Arquivo X em que Scully estivesse certa na metade dos episódios. Mas o fato é que não há como racionalmente discordar da afirmação de Sagan, em O Mundo Assombrado Pelos Demônios, de que o slogan "eu quero acreditar" é sim um verdadeiro veneno conceitual quando deslocado da ficção para o mundo real. "Querer acreditar" é a morte da investigação, do aprendizado, da busca por conhecimento. Nesses tempos de recrudescimento do fundamentalismo religioso e negação da ciência, quando o obscurantismo chega a ameaçar abertamente a própria democracia, mais do que nunca é preciso (como Sagan defendia) "QUERER SABER", não "QUERER ACREDITAR". Os verdadeiros amantes do fantástico SABEM que lidam com arte, com símbolos, com imagens e conceitos que representam e traduzem a realidade na forma de fantasia, mas quando temos tanta gente por aí QUERENDO ACREDITAR objetivamente em supostas "verdades", por mais irracionais e perigosas que sejam, uma série como Lore torna-se mais do que oportuna, torna-se necessária! E infinitamente mais relevante do que quaisquer outras séries de estilo semi-documental que se vendem como "objetivas" e "baseadas em fatos reais", como Paranormal WitnessGhost Hunters e tantas outras.

E não deixa de ser irônico que alguns dos mais importantes colaboradores dos bons tempos de Arquivo X e Millennium, estejam agora trabalhando em Lore, como o roteirista Glen Morgan, o diretor Thomas J. Wright e os atores Robert Patrick e Kristen Cloke (ambos arrasando, aliás), todos pelo visto largando mão do velho Chris Carter de uma vez por todas depois do catastrófico (e completamente irrelevante) revival de Arquivo X. 😝

A segunda temporada de Lore já está encomendada pelo Amazon Studios. Será que Gillian Anderson toparia fazer um episódio? 😉


Nenhum comentário:

Postar um comentário