A Trilogia Yokai Monsters - Alguns comentários livres...

(Devidamente resgatados do abismo sem fundo do feed do instagram,
postados originalmente entre 04/12 e 06/12 de 2021)

E quando menos se espera, eis que cai na rede a trilogia Yokai Monsters (1968-1969), completinha e em alta definição!😍

Sempre piso em ovos pra falar do cinema de horror japonês. O que sei de cultura japonesa, ainda mais dos anos 60, não vai muito além das Wikipédia da vida e a barreira do idioma continua sendo um problema, mesmo na era do google translator (para algo mais aprofundado, recomendo os dois artigos da Biblioteca Noturna). Mas, afinal, a ideia das "reminiscências" sempre foi focar nas impressões pessoais e, nesse aspecto, a própria inefabilidade do conceito de yokai contribui muito no impacto que esses filmes têm sobre mim. Pra quem não sabe, yokais são... bem, "aparições estranhas" (é sério, tá lá no Wikipedia!😅), entidades do folclore japonês que parecem se caracterizar, acima de tudo, pela esquisitice. Cinematograficamente falando, caem como uma luva tanto nos kaidan-eiga (histórias de fantasmas) quanto tokusatsu, dando margem para os mais fantásticos desvarios com animações, bonecos, fantasias, trucagens e outras técnicas "mágicas" de efeitos práticos old school. Tem mulheres que esticam o pescoço (ou com boca atrás da cabeça), feiticeiras gigantes assombrando leitos de rio, fantasmas sem rosto nas encruzilhadas, monstros de um olho só emboscando viajantes e até guarda-chuvas beijoqueiros😳, simplesmente não há limite pras bizarrices que vão se sobrepondo numa estrutura de "causos" dentro de "causos" narrados à luz de velas! Escrito assim, pode até soar meio engraçado (e é!) mas não se surpreenda se, depois da sessão, se flagrar tendo sobressaltos com sons estranhos e aparentes movimentos na penumbra do quarto.😉

À propósito, recomendo baixar o quanto antes, enquanto os torrents ainda têm seeds. Os velhos DVDrips eram quase impossíveis de achar, mesmo em fóruns especializados e nada indica que os BRrips não vão seguir o mesmo padrão, no máximo em alguns meses. E lembrem-se: só uploaders vão pro céu (especialmente os que não enchem o saco por créditos😜).

(Re)Assistindo: 100 Monsters AKA Yôkai Hyaku Monogatari (1968) de Kimiyoshi Yasuda
com Miwa Takada, Mikiko Tsubouchi, Shinobu Araki, Jun Fujimaki, Ryutaro Gomi, Jun Hamamura, Ikuko Môri


O segundo filme da trilogia Yokai Monsters aparenta ter uma proposta um tanto diferente de seu antecessor. A ideia, pelo visto, era ser um filme mais "família", quase um "Turma do Pererê" nipônico, com as entidades folclóricas do Japão unindo forças para deter um terrível demônio babilônico(!?) que assumiu a identidade de um poderoso daimiô da região. No primeiro filme os yokai eram retratados de forma no mínimo ambígua. Ainda que aparentassem certa preferência de perseguir malfeitores e vingar injustiças cometidas pelos que se julgam donos do poder, em nenhum momento suas aparições deixavam de ser também assustadoras. No limite, era mais conveniente evitar cruzar o caminho deles sempre que possível, só por via das dúvidas. Aqui a única criatura realmente malvada é o big boss forasteiro mesmo, as entidades japoneses são todas fofas, boazinhas, patrióticas(!)... e amigas de todas as crianças...

...mas juro que se tivesse assistido esse negócio quando EU era criança teriam que me benzer (de novo) pra voltar a dormir de luz apagada!😱😅🖤

Mas deixando de lado, por agora, a superioridade do cinema infantil de antigamente,😜 uma das coisas mais legais desse segundo filme é a chance de conhecer um pouco melhor as entidades folclóricas que, nos outros dois filmes, só aparecem de forma bem an passant. Seres como o Kappa (o diabinho das águas), a Futakuchi Onna (a mulher de duas caras), o Kasa Obake (o impagável "yokai guarda-chuva"), a Rokurokubi (a mulher que estica o pescoço), o Abura Sumashi (um tipo de versão original do Yoda que lidera o bando) e o Nuppeppō (hmm... talvez seja melhor não perguntar sobre esse🤔). Particularmente eu prefiro a pegada mais kaidan-eiga (histórias de fantasma) do filme anterior, mas se você for fã dos monstros gigantes dos kaidan-eiga e dos "super-heróis" bizarros dos tokusatsu esse aqui tem tudo pra virar o seu filme de referência... e do coração.😉

(Re)Assistindo: Yokai Monsters: Spook Warfare AKA The Great Yokai War AKA Yōkai Daisensō (1968) de Yoshiyuki Kuroda
com Yoshihiko Aoyama, Hideki Hanamura, Chikara Hashimoto, Hiromi Inoue, Mari Kanda, Takashi Kanda, Akane Kawasaki, Gen Kimura, Hajime Kimura, Ikuko Môri


É difícil não reagir com uma certa frieza ao último filme da trilogia Yokai Monsters na primeira vez que a gente assiste. Depois daquele verdadeiro show yokai no filme anterior, a série meio que mete o pé no freio com uma história muito mais contida, até em relação ao primeiro filme. Os yokais voltam a ser pouco mais que vislumbres, aparecendo em pouquíssimas cenas. Pra todos os efeitos, o filme funciona mais como um filme de samurai (ou, mais especificamente, Chambara) com alguns toques de kaidan-eiga e tokusatsu. Isso não seria necessariamente ruim, mas no contexto acaba soando decepcionante. Guardadas as devidas proporções, é meio como na franquia Alien em que, no primeiro filme, você tem um monstro escondido nas sombras, no segundo um show de monstros e no terceiro... um monstro escondido nas sombras. Inevitável que a primeira impressão seja de um passo atrás.🤔

Porém (da mesma forma que rolava com Alien 3), a proposta começa a fazer mais sentido nas revisões. É como um recuo estratégico depois de um passo que, por mais que na época tenha feito sentido, no fim acabou se revelando um tanto além da perna, praticamente mudando o caráter e até mesmo o gênero da série. O que fazer depois disso? Seguir em frente e seja o que Buda quiser? Ou tentar resgatar a proposta original? Independente do que se possa pensar, não há respostas certas aqui. A opção escolhida foi pela volta às origens e é nessa chave que a audiência deve modular as expectativas. Dito isso, há momentos arrepiantes com as entidades (re)apresentadas na sua forma mais ambígua e sinistra e, por mais que não tenha como resgatar o impacto do primeiro filme (e alguns momentos de humor pastelão também pareçam bem deslocados), não deixa de ser um encerramento digno para uma das séries mais inusitadas do horror japonês naqueles loucos (e maravilhosos) anos 60.🥰

(Re)Assistindo: Yokai Monsters: Along With Ghosts AKA Tôkaidô Obake Dôchû (1969) de Yoshiyuki Kuroda & Kimiyoshi Yasuda
com Kôjirô Hongô, Pepe Hozumi, Masami Burukido, Mutsuhiro, Yoshito Yamaji, Bokuzen Hidari, Shinjiro Akatsuki, Saburô Date, Ryûtarô Gomi, Kazue Tamaki, Mutsuhiro Toura



Nenhum comentário:

Postar um comentário